Entre Quatro Paredes (Sartre): Análise e Resumo

Todos esses olhares que me comem! […] Não precisa de grelha, o inferno são os outros.

Apresentação

Entre Quatro Paredes é uma das melhores peças de Sartre. É também a mais executada de suas obras. Sartre trata da questão da relação com os outros (ou intersubjetividade), traduzindo seus ensaios filosóficos (“O Ser e o Nada” em particular) sobre a questão.

A ação se passa no inferno, um inferno muito parecido com o mundo real. Três personagens se encontram neste microcosmo. À primeira vista sem relação entre si, verifica-se que as suas histórias estão intimamente ligadas, umas alienando as outras, levando à famosa conclusão de um dos personagens (Garcin): o inferno são os outros.

 

Índice

1 Os três personagens

2 Resumo de Entre Quatro Paredes de Sartre

3 Conclusão

4 Citações

 

1 Os três personagens

Garcin é jornalista. Ele foi baleado por seu pacifismo. Ele acredita ser um herói. A peça irá revelar que ele é bastante traiçoeiro e prejudicial.

Inês é lésbica. Ela cometeu suicídio por gás.

Estelle é uma socialite, esposa de um velho rico. Ela era amante de um jovem e cometeu infanticídio, antes de morrer de pneumonia. Ela também é uma mentirosa patológica.

2 Resumo de Entre Quatro Paredes de Sartre

A sala se abre com Garcin e um criado em uma sala de estar no estilo do Segundo Império. Mas esta não é uma sala comum: representa o inferno, logo após sua morte. Garcin rapidamente descobre que esse inferno só tem aparência de vida normal: ele não tem seus objetos do dia a dia e não precisará dormir. Na verdade, só há uma atividade possível: viver, sem interrupção. Desde o início da peça, vemos os temas sartreanos: a necessidade de os outros se definirem (Garcin depende das respostas do criado), a crítica à religião (o que faz o inferno embaixo, na obra, é a vida vivida “abaixo”).

Depois vem Inès, a segunda personagem introduzida no inferno. Esta é a tortura de Garin, sua penitência; o relacionamento deles é desde o início baseado na desconfiança e na distância, cada um acreditando que o outro é a causa de sua presença no inferno. Finalmente, Estelle chega. Os três, ao evocar as circunstâncias de sua morte, vão compreendendo aos poucos por que foram reunidos: o papel de cada um é ser o carrasco dos outros dois. Eles fazem planos infrutíferos, como tentar ignorar um ao outro, mas, sua mera presença é suficiente para torná-los insuportáveis. Também aqui encontramos o tema sartreano da coisificação: o outro, através de seu olhar, me dá um fora, me aprisiona em uma essência (o rótulo de “covarde”, “lésbica” ou “mundana”), em suma, “objetiva”. Estelle ainda tenta esfaquear Inès sem sucesso: elas são eternas, eternamente juntas, para pior. O inferno são os outros.

3 Conclusão

Outros podem tentar me objetificar, mas, não podem roubar minha liberdade: Entre Quatro Paredes está no centro do existencialismo sartriano. A angústia que sentimos quando confrontados com o universo vasto e sem sentido é algo que Sartre chama de “náusea”. Para combater essa “náusea”, o homem pode usar sua liberdade – liberdade de pensamento, escolha e ação. Mas, uma vez que o homem escolheu, é possível voltar atrás: cada escolha deixa uma marca. Em Entre Quatro Paredes, Sartre leva essa ideia ao extremo: contemplar a própria vida é uma forma de tortura. No entanto, ler esta obra como uma peça pessimista seria um erro: o homem deve escolher, e fazer escolhas que pode assumir por toda a eternidade (o que não é estranho ao tema do eterno retorno em Nietzsche). Entre Quatro Paredes, portanto, convida você a fazer algo mais com sua vida do que sofrê-la.

4 Citações

  • É possível que sejamos covardes quando escolhemos os caminhos mais perigosos? Podemos julgar uma vida com base em um único ato?
  • Eu não sonhei com esse heroísmo. Eu o escolhi. Somos o que queremos.
  • Eu queria ser um homem. Um duro… É possível que alguém seja covarde quando escolheu os caminhos mais perigosos?
  • Sempre morremos cedo demais – ou tarde demais. E ainda assim a vida está aí, acabada; a linha é traçada, é necessário fazer a soma. Você não é nada além de sua vida.
  • Nenhum de nós pode se salvar. Devemos nos perder juntos ou sair do problema juntos.
Written By
More from Ana Catarina
Rousseau: o homem nasce bom, a sociedade o corrompe
Rousseau e a bondade do homem: uma filosofia da natureza...
Read More
Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *