Apologia de Sócrates (Por Platão)

A morte de Sócrates e a Filosofia

Platão fez de um evento contingente – o julgamento e a morte de Sócrates – um mito fundador da filosofia. Este mito modelará fortemente a figura do Sábio na tradição filosófica ocidental. Sócrates, na aproximação da morte, é de fato mais filosófico do que nunca: somente a prática da filosofia torna a vida digna de ser vivida e, como consequência, torna possível aceitar a morte.

O Julgamento de Sócrates:

Sócrates é acusado dos seguintes fatos:

– Seu ateísmo e,

– Sua influência nociva sobre a juventude de Atenas;

Platão, portanto, relata a defesa de Sócrates a seus juízes, que não busca desculpar-se ou descartar-se perante o tribunal, mas sim defender sua conduta.

Resumo da Apologia de Sócrates

Sócrates afirma que sua atitude decorre da profecia do oráculo de Delfos, que afirmou que ele era o mais sábio dos homens. Reconhecendo sua ignorância na maioria dos assuntos deste mundo, Sócrates concluiu que deve ser mais sábio do que os outros homens porque é o único que tem consciência de sua ignorância: ele sabe que nada sabe. A sua missão era, portanto, divulgar esta mensagem, fazendo compreender às pessoas que encontrava que deviam aceitar a sua ignorância. Isso provocou a admiração dos jovens, mas o desprezo do povo.

Em uma passagem famosa, Sócrates se compara a uma mosca que espeta um cavalo preguiçoso, o símbolo do estado ateniense. Sem isso, Sócrates afirma que o estado pode cair em um sono profundo. Seu objetivo é, portanto, provocar os cidadãos para despertá-los de suas supostas certezas.

Sócrates é considerado culpado, por pouco, e é solicitado a propor uma punição. Sócrates primeiro sugere, brincando, que o estado organize uma grande refeição em sua homenagem, depois, mais seriamente, se oferece para pagar uma multa. O júri rejeita sua proposta e o condena à morte: Sócrates aceita estoicamente o veredicto. Ele aponta para todos que ninguém sabe o que acontece após a morte, então é tolice temer o que não se sabe. Ele também adverte os jurados que votaram contra ele, dizendo que estão se prejudicando mais do que a ele, porque perderão o apoio dos jovens.

Análise do tema

A Apologia é uma daquelas raras obras que preenchem a lacuna entre filosofia e literatura. Esta obra de Platão busca mais pintar o retrato do filósofo ideal do que propor teses filosóficas. Platão, por meio da Apologia, mostra que Sócrates encarna a filosofia. Podemos também associar três grandes temas do pensamento socrático: ironia socrática, maiêutica e preocupações éticas. Esta apresentação do tipo filósofo alimentará toda a história da filosofia. A imagem do Sábio será a de uma vítima, desprezada e incompreendida por seus contemporâneos, condenada pela ignorância de seu público. Vemos claramente a ressonância desse tema com a Alegoria da Caverna, na qual o filósofo, portador da verdade, permanece incompreendido pelos homens acorrentados e vivendo na ignorância.

Organização da Apologia de Sócrates:

Primeiro Discurso sobre a Culpa de Sócrates

I. Exórdio
II. Plano de Desenvolvimento
III. Refutação

A. Os ex-acusadores

1. Parte negativa: o que Sócrates não é

a. Sócrates não é um pensador sobre a natureza
b. Ele não é um sofista

2. Parte positiva: o que realmente é Sócrates

a. Resposta da Oráculo
b. A investigação sobre o significado desta resposta
c. Os Resultados dos questionamentos

B. Novos acusadores: Interrogatório de Mélétos

1. Introdução
2. Sobre educação
3. Sobre o ateísmo
4. Encerramento

C. Conclusão geral sobre as acusações contra Sócrates

Written By
More from Ana Catarina
Rousseau: o homem nasce bom, a sociedade o corrompe
Rousseau e a bondade do homem: uma filosofia da natureza...
Read More
Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *