Sartre: O Inferno são os Outros

Entre quatro paredes e a questão dos outros: o inferno intersubjetivo

Esta citação é uma das mais famosas de Jean-Paul Sartre. Ela completa a peça Entre quatro paredes escrita em 1943. A peça narra a chegada de três personagens ao inferno. Duas mulheres e um homem procurando entender o que os levou até lá e qual é o castigo. Eles rapidamente entendem que não há carrasco, pois cada um dos outros dois é o carrasco do terceiro. A punição deles é viver eternamente os três, coexistir, odiar e apoiar um ao outro. A versão completa da citação de Sartre esclarece isso:

“Todos esses olhares que me consomem… Ah, vocês são apenas dois? Achei que vocês fossem muito mais numerosos. Então isso é um inferno. Eu nunca teria acreditado… Você se lembra: o enxofre, a estaca, a grelha… Ah! Que piada. Não precisa de grelha: o inferno são os outros.”

Outros, vergonha e objetificação: o inferno são os outros:

Atrás de portas fechadas não é a primeira oportunidade para Sartre tematizar os outros como uma fonte do inferno. O Outro ocupa um lugar especial no pensamento de Sartre. De fato, a consciência não está sozinha no mundo. Deve chegar a um acordo com as outras consciências, lutar para existir. Solipsismo não existe. O Para-si (=homem) é também um Para-Outro. Encontramo-nos com os outros sem os constituir (= criar do ponto de vista fenomenológico).

Como posso experimentar os outros? Pelo corpo:

Sartre descreve a vergonha como o sentimento original da existência dos outros. Por exemplo, eu olho pelo buraco da fechadura, esse gesto me causa arrepios porque imaginei alguém que me viu olhando pelo buraco da fechadura. Eu me vi como os outros me veem, como o objeto que sou para os outros. A vergonha é a vergonha de si mesmo na frente dos outros.

Os outros são um escândalo porque não os faço existir enquanto eles têm o poder de me congelar num ser (vulgar, orgulhoso, tímido, etc.) que eu não sou. O olhar dos outros me expõe, me torna fraco e frágil, me torna um objeto para ele:

“Se existe um Outro, seja ele quem for, onde quer que esteja, seja qual for a sua relação comigo… Tenho um fora, tenho uma natureza; minha queda original é a existência do outro.” (O Ser e o Nada).

O único meio de defesa de que o homem dispõe é transformar os outros, por sua vez, em objeto. Você tem que se livrar dos outros, escapar deles para recuperar a si mesmo e ao mundo que os outros roubam de você. A consciência inventa esse subterfúgio para continuar existindo como sujeito. Ainda outros tentam resistir a essa tentativa de subordinação. Isso abre uma verdadeira luta de consciências, na qual só posso ser reconhecido pelos outros se conseguir objetificá-los. Sartre, portanto, tem uma visão conflitante das relações entre as consciências.

Entre quatro paredes ilustra perfeitamente a difícil coexistência das consciências, o fato de serem os outros o que me aliena e me encerra numa dada natureza, que me priva da minha liberdade.

Written By
More from Ana Catarina
Resumo de “Cândido” de Voltaire
Após o resumo dos capítulos do livro, é apresentada a...
Read More
Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *