Rousseau: o homem nasce bom, a sociedade o corrompe

Rousseau e a bondade do homem: uma filosofia da natureza

 

A filosofia de Jean-Jacques Rousseau constitui um imenso edifício moral e político. Do “Emílio” ao “Contrato Social”, Rousseau apresenta sua visão da humanidade, como ela deveria ser e não como ela é.

Rousseau tem de fato uma profunda repugnância pelo homem como ele é. Sua filosofia é, portanto, essencialmente reativa, reacionária em relação à sociedade e à modernidade.

No “Discurso sobre a origem das desigualdades entre os homens”, Rousseau desenvolve uma longa metáfora sobre o estado de natureza, o estado pré-civilizacional. Ele descreve esse período da humanidade como o mais feliz. No estado de natureza segundo Rousseau, o homem é autossuficiente e cultiva livremente seu pedaço de terra. Sendo estúpido, robusto e cândido, o homem natural também vive em estado pré-moral, não conhece o bem, nem o mal e vive no presente, sem se preocupar com o amanhã. Contra Hobbes, que descreve o estado de natureza como um estado de guerra, Rousseau faz do estado pré-civilizatório um tempo de paz e defende o mito do bom selvagem, sendo puro diante do homem civilizado pervertido.

Neste estado idílico da natureza, Rousseau descreve como essa situação foi rompida em razão do surgimento da propriedade. Num belo dia, diz Rousseau, alguém é encontrado para fazer valer seu direito à terra arável: nasce a propriedade e, com ela, o declínio da humanidade. O advento da propriedade gera desigualdades e novas competições entre os homens. A sociedade civil é instituída, roubando a inocência do homem.

Uma visão pessimista da civilização

Contra Hobbes, Rousseau é ilustrado por um profundo pessimismo sobre a história em geral e a civilização em particular, e um otimismo bastante feliz sobre a natureza humana (sua “ingenuidade” será, aliás, ridicularizada por Voltaire).

“Eu desejaria que se escolhessem de tal forma as amizades de um jovem que ele pensasse bem dos que vivem com ele; e que lhes ensinasse a conhecer tão bem o mundo que ele pensasse mal de tudo o que se faz nele. Saiba ele que o homem é naturalmente bom, sinta-o, julgue seu próximo por si mesmo; mas veja ele como a sociedade deprava e perverte os homens; descubra nos preconceitos a fonte de todos os vícios dos homens; seja levado a estimar cada indivíduo, mas despreze a multidão; veja que todos os homens carregam mais ou menos a mesma máscara, mas saiba também que existem rostos mais belos do que a máscara que os cobre”. (Emílio)

Written By
More from Ana Catarina
Um Exemplo de Dissertação em Filosofia
Índice Exemplo de dissertação escrita e corrigida A liberdade é...
Read More
Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *