10 Livros de Filosofia fáceis de ler (mas essenciais!)

Frequentemente nos perguntam com qual livro começar a ler filosofia. Alguns livros são mais complexos do que outros e alguns filósofos são mais obscuros do que outros. E, se todos merecem a nossa atenção, alguns se mostram necessários e acessíveis. Por isso, compilamos, abaixo, nossa “leitura obrigatória” de filosofia, para você em 10 livros.

 

Índice

1 Apologia de Sócrates de Platão

2 Ética a Nicômaco de Aristóteles

3 O Discurso do Método de Descartes

4 Cândido ou O Otimismo de Voltaire

5 Além do Bem e do Mal de Nietzsche

6 Crime e Castigo de Dostoiévski

7 A Insustentável Leveza do Ser de Kundera

8 Existencialismo é o humanismo de Sartre

9 A Queda de Camus

10 Origens do Totalitarismo de Hannah Arendt 

 

A Apologia de Platão a Sócrates

Neste curto e acessível diálogo de Platão se discute a morte de Sócrates e a própria figura do filósofo. Este livro sempre irradia toda a filosofia ocidental.

Ética a Nicômaco de Aristóteles

Aristóteles define seu pensamento moral neste ensaio sobre no que consiste uma boa vida e responde à pergunta “o que devemos fazer?”. Ele postula que o Bem é o objetivo supremo da vida, e o Bem é o objeto da Política.

Discurso sobre o Método (Descartes)

Livro fundador da filosofia, Descartes revela o famoso cogito (penso, logo existo), colocando então a anterioridade da subjetividade sobre qualquer outra coisa (Deus em particular). As ciências integram notavelmente a abordagem metodológica de Descartes.

Nota: O discurso é simples apenas na aparência. Reserve um tempo para ler e reler cada parágrafo.

Cândido ou O Otimismo de Voltaire

Cândido é muitas vezes sub analisado ou, reduzido à denúncia das religiões e do fanatismo. De fato, Voltaire revoluciona o pensamento da felicidade neste pequeno conto: em vez de procurá-la no além (que todas as religiões prometem), a felicidade deve ser buscada “aqui e agora”. Este é o significado final do famoso “Você tem que cultivar seu jardim”.

Além do Bem e do Mal de Nietzsche

Neste ensaio, muito mais acessível do que “Assim falou Zaratustra”, por exemplo, Nietzsche ataca tudo o que, a seu ver, rebaixa o homem (o instinto gregário, o nacionalismo, a civilização europeia, a moral cristã etc.) em outras palavras, o que o impede de se tornar ele mesmo.

Crime e Castigo de Dostoiévski

Crime e Castigo é, sem dúvida, um dos romances mais importantes do século XIX. À profundidade das personagens (nomeadamente Raskolnikov) junta-se uma verdadeira complexidade filosófica onde se misturam os temas da culpa, da liberdade, do niilismo e da natureza humana. Dostoiévski também destila ali uma série de conceitos psicanalíticos que inspirarão a teoria freudiana.

A insustentável leveza de ser de Kundera

Este romance de Kundera coloca quatro personagens principais contra a história (nomeadamente o comunismo), a dificuldade de fazer escolhas e assumir a sua liberdade. Kundera procura mostrar quão falso é o conceito de destino e, como corolário, quão precária é a existência humana.

O existencialismo é o humanismo de Sartre

Resultado de uma palestra, “O existencialismo é um humanismo” se trata de um ótimo texto. Jean-Paul Sartre defende sua tese maior (o homem está condenado a ser livre) e desdobra as consequências sobre as noções de consciência, relação com os outros, responsabilidade e má-fé.

A Queda de Camus

Neste belo romance, Camus lida com a inação e suas consequências. O homem não deve apenas agir sempre segundo Camus, mas sobretudo ser seu primeiro juiz, colocar sua responsabilidade como total e permanente perante o mundo.

Origens do Totalitarismo de Hannah Arendt

“Origens do totalitarismo” é um livro que discute a ascensão dos movimentos totalitários do nazismo e do stalinismo ao poder no século XX. Arendt explicou que esses movimentos dependiam da lealdade incondicional das massas de “maiorias adormecidas”, que se sentiam insatisfeitas e abandonadas por um sistema político que consideravam fraudulento e corrupto. Essas massas surgiram com o apoio a um líder que as fez sentir que tinham um lugar no mundo por pertencerem a um “movimento”. Hannah Arendt argumentou que o que aconteceu na Alemanha durante o Terceiro Reich não era inevitável. O holocausto teria sido a expressão por excelência da banalidade do mal.

E, aí? Está pronto para construir sua biblioteca?

Written By
More from Ana Catarina
A Filosofia de Immanuel Kant
Immanuel Kant, um filósofo alemão, fez a si mesmo três...
Read More
Leave a comment