O Tempo na Filosofia

O tempo é uma das grandes questões da filosofia. Enquanto na antiguidade Platão dá ao tempo um lugar secundário e lhe concede, no máximo, uma representação inferior da eternidade, Kant, no século XVIII, aumenta o papel do tempo, no qual vê uma forma universal de apreensão dos fenômenos.

Do latim tempus, o tempo nos induz à divisão da duração. É um momento. Muitas vezes é percebido como uma mudança contínua e irreversível, onde o presente se torna passado. No sentido mais filosófico, é antes de tudo o ambiente homogêneo e indefinido em que os eventos ocorrem. É então análogo ao espaço. Refletir sobre o tempo é refletir sobre a própria existência: o tempo é o tecido de que esta existência é feita. Para os homens como para todos os seres vivos, existir é fazer parte do tempo, é percorrer, sem nunca poder parar ou voltar atrás, o caminho que leva todos desde o nascimento até à morte. Nada pode interromper o curso do tempo e é tanto a beleza quanto o interesse, mas também o drama e a tragédia da vida. O sonho do poeta Lamartine: “Ó Tempo! Pare seu voo!” é arrastado por esta pergunta do filósofo Alain: “Por quanto tempo o Tempo suspenderá seu voo?”

O personagem principal do tempo é a sua irreversibilidade, ao contrário do espaço (posso viajar em direções opostas e voltar ao meu ponto de partida). O tempo é irreversível, só pode ser percorrido em uma direção. Dentro do tempo, não posso voltar atrás, reviver o mês, a semana ou a hora que acabou de passar. Pelo contrário, continuo me afastando dela. O tempo leva tudo irremediavelmente. Se o tempo é a forma da nossa impotência, é, portanto, fugaz. Para Heráclito, “nunca se banha duas vezes no mesmo rio”, tudo é mudança, movimento. Tudo está em perpétuo devir e as águas em que me banhei ontem já podem ter desaguado no mar…

O que é o tempo para os filósofos? Um fato que não pode ser escapado. O tempo refere-se à finitude do homem, o marco insuperável de sua existência. Para Pascal, por exemplo, o tempo causa pavor, ligado à sensação de infinito: “O homem é um ponto perdido entre dois infinitos”.

 

Índice

1 Tempo e seus movimentos, passado, presente, futuro

2 Memória: um desafio ao tempo

3 Tempo vivido e tempo objetivo

4 Homem e tempo: entretenimento

5 Definições de tempo dos filósofos

6 Conclusão

 

1 Tempo e seus movimentos, passado, presente, futuro

Qualquer definição de tempo pressupõe a existência anterior de tempo. Dizer que o tempo é esse meio indefinido no qual ocorrem eventos sucessivos pressupõe, por exemplo, a experiência vivida do “desdobramento” e da “sucessão”. Da mesma forma, a definição que Aristóteles dá do tempo no livro IV da Física (“a medida do movimento segundo o anterior e o posterior”), só é possível se já se tiver distinguido o anterior e o posterior. Logo, são modalidades do próprio tempo.

Dos três momentos do tempo, o passado, o presente e o futuro, apenas um me parece realmente dado, apenas um parece ser realmente vivido sem discussão possível: é o presente. Se você pensar sobre nunca sairemos disso. Certamente nossa ansiedade sobre o futuro é um fato e a lembrança de uma humilhação passada também, mas, são fatos presentes. O que é real no futuro é que ele estará presente; o que é real no passado é que foi presente. Quando tentamos considerar sua realidade passada e futura, entendemos que elas derivam todo o seu significado de nosso pensamento atual. Assim conclui Santo Agostinho em suas Confissões: “Há três tempos: o presente do passado, o presente do presente, o presente do futuro”.

Em certo sentido, portanto, podemos dizer que só o presente existe, mas também podemos sustentar que só o presente não existe e isso é toda a irracionalidade e o paradoxo do tempo. O presente se decompõe em dois momentos que têm justamente o caráter de não estarem presentes. O primeiro momento é o fato do que acabou de acontecer e o segundo é o que acontecerá imediatamente. Entre o passado imediato e o futuro imediato, onde está o presente? A hora de pronunciar seu nome que o presente já está no passado. Este presente no qual queríamos reconhecer a realidade do tempo revela-se, portanto, na análise, como um ser elusivo, um momento matemático, uma pura ficção sem profundidade existencial. O tempo seria, portanto, como supõe Aristóteles, um ser que se desfaz entre dois nadas: o que foi e o que será. O tempo é, portanto, divisível, mas suas partes não existem. Entre o ser e o não-ser, deve-se acreditar que o tempo tem apenas uma “existência imperfeita e obscura”.

2 Memória: um desafio ao tempo

A memória é o meio de que o homem dispõe para lutar contra a transitoriedade do tempo. Proust chama isso de memória afetiva: “Pela magia da lembrança, o passado poderia ser restaurado”. Claro, nunca encontramos o passado como ele foi, sempre o evocamos de acordo com o que nos tornamos. O passado é, portanto, uma reinterpretação. As memórias evoluem e mudam conosco. A memória é essa reprodução de um estado de consciência passado com o caráter que é reconhecido pelo sujeito como passado. Mas como a memória é corrigida? De que forma ele sobrevive e se manifesta para a consciência? Ele é capaz de restaurar fielmente o passado para nós? Quando alguém me pede meu número de telefone, posso fornecê-lo mecanicamente sem fazer nenhum esforço para me lembrar. Mas se alguém me perguntar em que ano ganhei meu primeiro telefone, tenho que me esforçar para lembrar como o recebi, em que loja fui comprá-lo… Todas essas memórias são datadas e capturadas como itens do passado. A memória é, portanto, uma imagem singular a ser reconstituída e deve ser distinguida do hábito, que é um mecanismo que se fixou em mim pelo exercício.

Mas, é sabido que a memória piora com o tempo. Peça a um sujeito para produzir um desenho a partir de um modelo. Seis meses depois, foi-lhe pedido que reproduzisse o mesmo desenho, mas desta vez “de memória”. A memória tornou-se intelectualizada. O desenho feito de memória tem formas mais regulares, mais geométricas do que o modelo inicial. A memória sofreu uma reconstrução no sentido de uma racionalização das formas: aparece simplificada e empobrecida. Mas, ao mesmo tempo, a memória pode aparecer enriquecida com uma matéria externa a ela, transfigurada pelos acontecimentos que a sucedem para adquirir um novo significado. Em suas Confissões, Rousseau evoca seu difícil início de vida com a perspectiva e a maturidade necessárias para poetizar momentos passados ​​à luz de seus sucessos presentes.

Lacunas de memória podem ser benéficas. O esquecimento não é um mecanismo puramente negativo, revela a pessoa. Posso, por exemplo, expulsar da minha memória tudo o que no meu passado é insuportável, doloroso ou contrário às exigências da minha consciência moral. A repressão no inconsciente das lembranças traumáticas é, então, para Freud, um mecanismo de defesa do psiquismo. Finalmente, segundo Nietzsche, a preservação integral do passado nos paralisaria completamente e nos impediria de desfrutar inocentemente o momento presente. Devemos, portanto, saber esquecer, esquecer nossos fracassos para embarcar em novos projetos, esquecer as desilusões no amor para amar novamente…

3 Tempo vivido e tempo objetivo

O tempo é entendido de duas maneiras segundo Bergson: ou pela consciência ou pela técnica. O tempo subjetivo da consciência está ligado às nossas representações (pensamentos, sentimentos, …) enquanto o tempo objetivo, o do relógio, atua como uma medida de tempo comum e universal. O que a ciência chama de tempo não é realmente o tempo como é experimentado, sentido por nossa consciência. Quando o cientista afirma medir o tempo, na verdade é o espaço que ele está medindo, as porções de um círculo percorridas por um ponteiro no mostrador de um relógio, por exemplo. O tempo homogêneo do físico é modelado no espaço, enquanto a duração psicológica é tal como nossa consciência a experimenta. A mesma hora no relógio pode parecer diferente se eu estiver assistindo a uma palestra chata ou lendo um romance emocionante. Contínua e indivisível, a duração pura escapa ao alcance da inteligência, que não pode dividi-la em partes diferentes. No entanto, não sou apenas uma consciência no tempo, mas também uma consciência do tempo. Estou ciente da passagem do tempo e, nisso, escapo parcialmente do tempo. Quando digo que mudei, é necessário que, apesar da passagem do tempo e das mudanças, eu permaneça a mesma consciência. Uma consciência que julga o tempo está precisamente fora dele. Não haveria então consciência do tempo exceto para alguém que participa do eterno.

Para Santo Agostinho, o tempo é uma intuição espontânea: entendemos o que é o tempo, mas não podemos explicá-lo. Assim, estando o presente já no passado, o tempo não pode ser explicado racionalmente. Se o tempo pudesse ser explicado, seria estático, portanto, o tempo seria a eternidade.

O fato de o tempo estar na consciência é chamado de temporalidade. Assim, o presente é memória e antecipação.

4 Homem e tempo: entretenimento

Se o tempo é irreversível, o homem, no entanto, procura se livrar dele. Pascal chama isso de entretenimento. Com efeito, para lutar contra a nossa finitude, a nossa morte inevitável, o homem procura conquistar o poder, ocupar-se, apropriar-se dos bens: «O presente nunca é o nosso fim, o passado e o presente são os nossos meios, só o futuro é o nosso fim.»

O agitado acredita estar se encontrando, mas na verdade foge de si mesmo, apenas agita o vazio: “Toda a desgraça dos homens vem de uma única coisa, que é não poder ficar em repouso”. A consciência não suporta o face-a-face consigo mesma, é a fonte da infelicidade e da miséria do homem.

O tempo é entendido de duas maneiras segundo Bergson: ou pela consciência ou pela técnica. O tempo subjetivo da consciência está ligado às nossas representações (pensamentos, sentimentos, …) enquanto o tempo objetivo, o do relógio, atua como uma medida de tempo comum e universal. O que a ciência chama de tempo não é realmente o tempo como é experimentado, sentido por nossa consciência. Quando o cientista afirma medir o tempo, na verdade é o espaço que ele está medindo, as porções de um círculo percorridas por um ponteiro no mostrador de um relógio, por exemplo. O tempo homogêneo do físico é modelado no espaço, enquanto a duração psicológica é tal como nossa consciência a experimenta. A mesma hora no relógio pode parecer diferente se eu estiver assistindo a uma palestra chata ou lendo um romance emocionante. Contínua e indivisível, a duração pura escapa ao alcance da inteligência, que não pode dividi-la em partes diferentes. No entanto, não sou apenas uma consciência no tempo, mas também uma consciência do tempo. Estou ciente da passagem do tempo e, nisso, escapo parcialmente do tempo. Quando digo que mudei, é necessário que, apesar da passagem do tempo e das mudanças, eu permaneça a mesma consciência. Uma consciência que julga o tempo está precisamente fora dele. Não haveria então consciência do tempo exceto para alguém que participa do eterno.

Para Santo Agostinho, o tempo é uma intuição espontânea: entendemos o que é o tempo, mas não podemos explicá-lo. Assim, estando o presente já no passado, o tempo não pode ser explicado racionalmente. Se o tempo pudesse ser explicado, seria estático, portanto, o tempo seria a eternidade.

O fato de o tempo estar na consciência é chamado de temporalidade. Assim, o presente é memória e antecipação.

5 Definições de tempo dos filósofos

– Kant:

“O tempo não é um conceito empírico que deriva de qualquer experiência. Com efeito, a simultaneidade ou a sucessão não cairiam na percepção se a representação do tempo não lhe servisse de fundamento a priori. É somente sob esta suposição que se pode imaginar que uma coisa existe ao mesmo tempo que outra (simultaneamente) ou em tempos diferentes (sucessivamente)”.

– Aristóteles:

– “Tempo é o número do movimento”

– Platão:

“[O autor do mundo] preocupou-se em fabricar uma certa imitação móvel da eternidade e, ao organizar o Céu, fez a eternidade imóvel e una, aquela imagem eterna que progride de acordo com a lei dos Números, aquela coisa que chamamos de Tempo”.

– “O tempo é a imagem em movimento da eternidade imóvel”.

– Sartre:

“O tempo da consciência […] é o nada se transformando em uma totalidade como um fermento destotalizante.” (O Ser e o Nada).

6 Conclusão

O tempo é essa sucessão contínua, o quadro de todas as minhas experiências sem as quais não posso representar nada real para mim mesmo. O que a caracteriza primeiro é a sua irreversibilidade: a seta do tempo, que vai do passado ao presente e ao futuro, é unidirecional. O tempo levanta muitos paradoxos: podemos dizer, por exemplo, que o tempo existe porque nunca o deixamos, mas também podemos sustentar que não existe, pois assim que aconteceu, é abolido no passado. O tempo, no entanto, não me leva inteiramente. Através da memória (verdadeira e não habitual) minha consciência me devolve o passado na forma de memórias precisas e datadas. No entanto, essa memória às vezes me falha. Mas ao lado do esquecimento que testemunha a nossa fraqueza (esquecemos o que não ousamos reter), há um esquecimento salutar, que é o próprio sinal da nossa liberdade.

Written By
More from Ana Catarina
Estoicismo: Definição
Apresentação da corrente filosófica: Estoicismo O estoicismo, corrente filosófica grega...
Read More
Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *