Descartes: Penso, logo existo

Penso logo existo: o cogito

 

Índice:

1) Penso logo existo: o cogito

2) Dúvida metódica: o caminho ativo

3) O Gênio do Mal: o caminho passivo

4) Descartes, substância e a coisa que pensa

5) O Nascimento do Cogito

 

1) Penso logo existo: o cogito

Esta citação sobre a consciência é extraída do “Discurso do Método”, obra emblemática da filosofia de René Descartes, na qual ele narra sua vida e a maneira como pôde contar com a certeza de sua existência para fundar uma nova metafísica.

Descartes busca uma base segura para construir o conhecimento, um ponto fixo a partir do qual basear o conhecimento e acessar as verdades.

Para isso, oferece dois métodos:

a) O da dúvida

b) O do gênio do mal

Esses dois métodos chegarão ao mesmo resultado: a certeza da existência da subjetividade.

2) Dúvida metódica: o caminho ativo

Descartes decide questionar voluntariamente todos os seus conhecimentos e opiniões. O que resta dessa desconexão do mundo e seus objetos? Que é ele, sujeito, quem duvida. Agora, para duvidar, é preciso pensar. Portanto, se duvido, penso, e se penso, existo.

A dúvida, que inicialmente punha tudo em causa, inverte-se e torna-se fonte de certeza. A dialética de Descartes cria o cogito.

3) O Gênio do Mal: o caminho passivo

Descartes levanta a hipótese de que uma força obscura o engana, fazendo com que representações falsas passem por verdadeiras.

Mas também aí, se posso ser enganado, se meus sentidos podem ser uma fonte de ilusões, o fato é que tenho o poder de suspender meu julgamento. E aí também essa suspensão é uma ação do pensamento que prova irrefutavelmente a minha existência.

“Portanto, devo supor […] que um certo gênio do mal, não menos astuto e enganador do que poderoso, empregou toda a sua indústria para me enganar. Pensarei que o céu, o ar, a terra, as cores, as figuras, os sons e todas as outras coisas externas não passam de ilusões e devaneios que ele usou para armar armadilhas para minha credulidade. Vou me considerar sem mãos, sem olhos, sem carne, sem sangue; como sem sentido, mas falsamente acreditando ter todas essas coisas. Permanecerei obstinadamente apegado a este pensamento; e se, por esse meio, não está em meu poder chegar ao conhecimento de nenhuma verdade, pelo menos está em meu poder suspender meu julgamento: portanto, terei cuidado para não receber em minha crença nenhuma falsidade e preparo minha mente tão bem para todas as artimanhas desse grande enganador, que, por mais poderoso e astuto que seja, nunca poderá me impor nada”.

4) Descartes, substância e a coisa que pensa

“Mas o que eu sou? uma coisa que pensa. O que é uma coisa pensante? é algo que duvida, que ouve, que concebe, que afirma, que nega, que quer, que não quer, que também imagina e que sente. Certamente, não é pouco se todas essas coisas pertencem à minha natureza. Mas por que eles não pertenceriam lá? Não sou eu aquele que agora duvida de quase tudo, que, no entanto, ouve e concebe certas coisas, que assegura e afirma que só essas são verdadeiras, que nega todas as outras, que quer e deseja saber mais? Que não quer saber engana-se aquele que imagina muitas coisas, mesmo às vezes apesar de eu tê-las, e que também sente muitas coisas, como se através dos órgãos do corpo. Existe alguma coisa que não seja tão verdade que seja certo que eu sou e que existo, mesmo que ainda estivesse dormindo, e que aquele que me deu o ser usou toda a sua indústria para me enganar? Existem também alguns desses atributos que podem ser distinguidos do meu pensamento, ou que podem ser considerados separados de mim? Pois é por si tão óbvio que sou eu que duvido, que ouço e que desejo, que não há necessidade de acrescentar nada aqui para explicá-lo. E certamente também tenho o poder de imaginar; pois, embora possa acontecer (como eu supus antes) que as coisas que eu imagino podem não ser verdadeiras”.

5) O Nascimento do Cogito

Em ambos os métodos, ativo ou passivo, adquire-se a certeza do cogito. O Sujeito, seguro de sua existência, pode atuar como pátria da Verdade.

Esta afirmação, agora dada como certa, revolucionou a filosofia e serviu de premissa à filosofia moderna, entendida como a centralização do Sujeito. Kant, Spinoza, ou mesmo Sartre e Husserl, jamais questionarão essa “conquista filosófica”, esse cogito ergo sum.

Written By
More from Ana Catarina
Sócrates: Conhece-te a ti mesmo
Conhece-te a ti mesmo: uma injunção moral e epistemológica de...
Read More
Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *